Resenhas,  Sobrenatural

Sabriel, A Missão da Guerreira – Garth Nix

Não dá pra ver, mas tem uma marca d’água com sinais da Ordem nela!
  • Autor: Garth Nix
  •    Editora: Rocco
  •    Nº de Páginas: 398
  •    Edição: 1
  •    Ano: 2011
  •    Título Original: Sabriel
  •    Tradutor: Chico Lopes
  •    Avaliação: 9,0

Primeiro volume da série O Reino Antigo, lançamento Rocco Jovens Leitores no Brasil, Sabriel – A missão da guerreira é uma história de fantasia e aventura ambientada numa terra dividida entre a modernidade e as tradições mágicas por um enorme muro. De um lado, está a Terra dos Ancestrais, um lugar onde a razão e a tecnologia predominam; de outro, o Reino Antigo, onde vivem perigosas criaturas sobrenaturais e onde a magia impera. Neste lugar de equilíbrio frágil, apenas uma pessoa é designada para cruzar a barreira entre os dois mundos e evitar uma tragédia. Ao encontrar o corpo de um Mago da Ordem e tocar o sinal em sua testa, a jovem Sabriel acaba trazendo à vida novamente um dos Mortos Maiores. Filha de um necromante Abhorsen, cuja função é justamente colocar os mortos despertos em repouso para sempre, Sabriel não poderia imaginar que seu destino guardasse tantos desafios pela frente. Vivendo na Terra dos Ancestrais, ela se vê obrigada a voltar ao Reino Antigo, onde nasceu, quando recebe uma mensagem, a espada e as ferramentas de trabalho do pai, desaparecido. Em busca do velho pai, ela acaba descobrindo um terrível inimigo que ameaça destruir os dois lados do muro e uma perigosa missão, que não poderá recusar. A jornada de Sabriel pelo fascinante mundo da série O Reino Antigo é apenas o começo de uma inesquecível aventura, repleta de mistério, suspense e magia.

————————————————————————————————————————————————————————————————–

E se Harry Potter lutasse de armadura? E se Harry Potter usasse sinos, não uma varinha? E se Harry Potter lidasse com Mortos? E se Harry Potter fosse uma garota?

Eu não enlouqueci de vez, sério. E meu mundo não se resume a Harry Potter, juro.  Tem LoR tbm

Mas Sabriel simplesmente foi se tornando muito parecido com HP, de uma forma completamente positiva e livre de plágios.

Nunca vi nada do Garth Nix, sei que ele tem outras séries, mas faltou algo que me chamasse a atenção. Sabriel logo entrou para a minha lista de must have quando li sua contra-capa, escandalosamente curta, e descobri que se tratava da minha combinação preferida: garotas badass+espadas+magia.

Quando Sabriel sai da segurança do Colégio Wyverley, ela realmente não quer pensar muito no que está por vir. As possibilidades são ruins ou muito ruins. Seu pai está desaparecido em algum lugar da Morte, o que pode significar estar apenas aprisionado (o que é péssimo já que Abhorsen é o maior necromante e Mago da Ordem do Reino Antigo plus Terra dos Ancestrais) por algum dos Mortos Maiores, ou ele pode estar morto.

Apesar de já ter lido todo o Livro dos Mortos e ter tido aulas particulares com seu pai sobre a necromancia, Sabriel sabe o quanto está despreparada para tudo aquilo. Ela tem um conhecimento básico de Magia da Ordem e se vira muito bem com uma espada em punho, mas não manja absolutamente nada sobre O Reino Antigo. Aliás, ela só percebe o tamanho da enrascada em que está se metendo quando vai cruzar o Muro, e descobre que Abhorsen não é um nome, e sim um título. É a pessoa responsável por botar os mortos para dormir, de novo.

Com todo o peso da responsabilidade de Abhorsen nas costas, Sabriel se aventura por terra, água e ar atrás de seu pai, e de quebra, aprende a correr mais rápido que criaturas que nem deveriam poder correr.

Em sua jornada ela é auxiliada por Mogget, o melhor personagem do livro sem esforço algum. Afinal de contas ele é um gato falante.

Tudo bem, a forma de gato é na verdade a prisão de um poderoso espirito da Magia Livre, que, sem poder ser destruído, foi forçado a servir o Abhorsen de cada geração eternamente. Ele é folgado e misterioso como só um gato pode ser, e por vezes até demonstra se preocupar genuinamente com Sabriel. Mas ao longo da narrativa, fui jogada em dúvidas sobre seu caráter várias vezes.

Quem também acompanha nossa heroína é a figura de proa mais sensual dos últimos 200 anos. Pedra de Toque, um ex-integrante da Guarda Real, fora encerrado ali dois séculos antes, logo após a última rainha ser assassinada. Na sua eterna vergonha por ter falhado no dever, Pedra de Toque abdicou de seu verdadeiro nome e se tornou espadachim juramentado de Sabriel, mesmo a garota não gostando nem um pouco da ideia.

Uma das coisas mais bacanas do livro, além da parte de juntar a tecnologia e a magia, foi o medinho que deu. Quero dizer, gente, os mortos se levantaram! Mesmo os espíritos malignos mais fortes e incorpóreos precisam de ajudantes, peões mesmo, para fazer o trabalho sujo. E lá vamos nós novamente, encarar aquele mar de gente apodrecida…

Sem contar os Mordauts

O Thralk

As Sombras

Ou os Mordentes.

“véi, véi”

O fim do livro vai lembrar a qualquer um que tenha lido, ou só visto o filme, Harry Potter. E vai te fazer pensar nas várias coisas semelhantes na estrutura dos dois… não, não vou falar. Quero que você leia, pois vale muito a pena! É o tipo de livro que te deixa assim depois do final:

Mein Gott, não pode ter acabado agora…

Simplesmente não vejo a hora de  ler Lirael, continuação da série O Reino Antigo.

Os sinos de um necromante, do menor para o maior: Ranna, o propiciador do sono; Mosrael, o despertador; Kibeth, o caminhante; Dyrim, a voz; Belgaer, o reflexivo; Saraneth, o aprisionador e Astarael, o expulsor. A imagem não é minha, e sim, notei que tem só 6 ali, mas são 7. Juro.

xo e bom finds

No Comments

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *